CATEQUESE !!!

Fazei tudo o que Ele vos mandar (Jo 2,5)

REFLEXÃO DOMINICAL. Mt 26,14-27,66 - Domingo de Ramos da Paixão do Senhor da Quaresma

cena-final

O que me dareis se vos entregar Jesus?

1ª Leitura – Is 50,4-7


Salmo – Sl 21,8-9.17-18a.19-20.23-24 (R.2a)


2ª Leitura – Fl 2,6-11


Evangelho – Mt 26,14-27,66

 

Naquele tempo,

14 um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes

15 e disse: ‘O que me dareis se vos entregar Jesus?’ Combinaram, então, trinta moedas de prata.

16 E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus.

Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?

17 No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: ‘Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?’

18 Jesus respondeu: ‘Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’.’

19 Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa.

Um de vós vai me trair.

20 Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos.

21 Enquanto comiam, Jesus disse: ‘Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair.’

22 Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: ‘Senhor, será que sou eu?’

23 Jesus respondeu: ‘Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato.

24 O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!’

25 Então Judas, o traidor, perguntou: ‘Mestre, serei eu?’ Jesus lhe respondeu: ‘Tu o dizes.’


beijo

Isto é o meu corpo. Isto é o meu sangue.

26 Enquanto comiam, Jesus tomou um pão e, tendo pronunciado a bênção, partiu-o, distribuiu-o aos discípulos, e disse: ‘Tomai e comei, isto é o meu corpo.’

27 Em seguida, tomou um cálice, deu graças e entregou-lhes, dizendo: ‘Bebei dele todos.

28 Pois isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos,  para remissão dos pecados.

29 Eu vos digo: de hoje em diante não beberei deste fruto da videira, até ao dia em que, convosco, beberei o vinho novo no Reino do meu Pai.’

30 Depois de terem cantado salmos, foram para o monte das Oliveiras.

Ferirei o pastor e as ovelhas do rebanho se dispersarão.

31 Então, Jesus disse aos discípulos: ‘Esta noite, vós ficareis decepcionados por minha causa. Pois assim diz a Escritura: ‘Ferirei o pastor e as ovelhas do rebanho se dispersarão.’

32 Mas, depois de ressuscitar, eu irei à vossa frente para a Galileia.’

33 Disse Pedro a Jesus: ‘Ainda que todos fiquem decepcionados por tua causa, eu jamais ficarei.’

34 Jesus lhe declarou: ‘Em verdade eu te digo, que, esta noite, antes que o galo cante, tu me negarás três vezes.’

35 Pedro respondeu: ‘Ainda que eu tenha de morrer contigo, mesmo assim não te negarei.’ E todos os discípulos disseram a mesma coisa.

Começou a ficar triste e angustiado.

36 Então, Jesus foi com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse: ‘Sentai-vos aqui, enquanto eu vou até ali para rezar!’

37 Jesus levou consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, e começou a ficar triste e angustiado.

38 Então Jesus lhes disse: ‘Minha alma está triste até á morte. Ficai aqui e vigiai comigo!’

39 Jesus foi um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto por terra e rezou: ‘Meu Pai, se é possível, afaste-se de mim este cálice. Contudo, não seja feito como eu quero, mas sim como tu queres.’

40 Voltando para junto dos discípulos, Jesus encontrou-os dormindo, e disse a Pedro: ‘Vós não fostes capazes de fazer uma hora de vigília comigo?

41 Vigiai e rezai, para não cairdes em tentação; pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca.’

42 Jesus se afastou pela segunda vez e rezou: ‘Meu Pai, se este cálice não pode passar sem que eu o beba, seja feita a tua vontade!’

43 Ele voltou de novo e encontrou os discípulos  dormindo, porque seus olhos estavam pesados de sono.

44 Deixando-os, Jesus afastou-se e rezou pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras.

45 Então, voltou para junto dos discípulos e disse: ‘Agora podeis dormir e descansar. Eis que chegou a hora e o Filho do Homem é entregue nas mãos dos pecadores.

46 Levantai-vos! Vamos! Aquele que me vai trair, já está chegando.’

Lançaram as mãos sobre Jesus e o prenderam.

47Jesus ainda falava, quando veio Judas, um dos Doze, com uma grande multidão armada de espadas e paus. Vinham a mandado dos sumos sacerdotes e dos anciãos do povo.

48 O traidor tinha combinado com eles um sinal, dizendo: ‘Jesus é aquele que eu beijar; prendei-o!’

49Judas, logo se aproximou de Jesus, dizendo: ‘Salve, Mestre!’ E beijou-o.

50 Jesus lhe disse: ‘Amigo, a que vieste?’ Então os outros avançaram lançaram as mãos sobre Jesus e o prenderam.

51 Nesse momento, um dos que estavam com Jesus estendeu a mão, puxou a espada, e feriu o servo do Sumo Sacerdote, cortando-lhe a orelha.

52 Jesus, porém, lhe disse: ‘Guarda a espada na bainha! pois todos os que usam a espada pela espada morrerão.

53 Ou pensas que eu não poderia recorrer ao meu Pai e ele me mandaria logo mais de doze legiões de anjos?

54 Então, como se cumpririam as Escrituras, que dizem que isso deve acontecer?

55 E, naquela hora, Jesus disse à  multidão: ‘Vós viestes com espadas e paus para me prender, como se eu fosse um assaltante. Todos os dias, no Templo, eu me sentava para ensinar, e vós não me prendestes.’

56 Porém, tudo isto aconteceu para se cumprir o que os profetas escreveram. Então todos os discípulos, abandonando Jesus, fugiram.

Vereis o Filho do Homem sentado à direita do Todo-poderoso.

57 Aqueles que prenderam Jesus levaram-no à casa do Sumo Sacerdote Caifás, onde estavam reunidos os mestres da Lei e os anciãos.

58 Pedro seguiu Jesus de longe até o pátio interno da casa do Sumo Sacerdote. Entrou e sentou-se com os guardas para ver como terminaria tudo aquilo.

59 Ora, os sumos sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam um falso testemunho contra Jesus, a fim de condená-lo à morte.

60 E nada encontraram, embora se apresentassem muitas falsas testemunhas. Por fim, vieram duas testemunhas, 

61que afirmaram: ‘Este homem declarou: ‘posso destruir o Templo de Deus e construí-lo de novo em três dias’.’

62 Então o Sumo Sacerdote levantou-se e perguntou a Jesus: ‘Nada tens a responder ao que estes testemunham contra ti?’

63 Jesus, porém, continuava calado. E o Sumo Sacerdote lhe disse: ‘Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Messias, o Filho de Deus.’

64 Jesus respondeu: ‘Tu o dizes. Além disso, eu vos digo que de agora em diante vereis o Filho do Homem sentado à direita do Todo-poderoso, vindo sobre as nuvens do céu.’

65 Então o sumo sacerdote rasgou suas vestes e disse: ‘Blasfemou! Que necessidade temos ainda de testemunhas? Pois agora mesmo vós ouvistes a blasfêmia.

66 Que vos parece?’ Responderam: ‘É réu de morte!’

67 Então cuspiram no rosto de Jesus e o esbofetearam. Outros lhe deram bordoadas,

68 dizendo: ‘Faze-nos uma profecia, Cristo, quem foi que te bateu?’

Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes.

69 Pedro estava sentado fora, no pátio. Uma criada chegou perto dele e disse: ‘Tu também estavas com Jesus, o Galileu!’

70 Mas ele negou diante de todos: ‘Não sei o que tu estás dizendo’.

71 E saiu para a entrada do pátio. Então outra criada viu Pedro e disse aos que estavam ali: ‘Este também estava com Jesus, o Nazareno.’

72 Pedro negou outra vez, jurando: ‘Nem conheço esse homem!’

73 Pouco depois, os que estavam ali aproximaram-se de Pedro e disseram: ‘É claro que tu também és um deles, pois o teu modo de falar te denuncia.’

74 Pedro começou a maldizer e a jurar, dizendo que não conhecia esse homem!’ E nesse instante o galo cantou.

75 Pedro se lembrou do que Jesus tinha dito: ‘Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes.’ E saindo dali, chorou amargamente.

Entregaram Jesus a Pilatos, o governador.

27,

1 De manhã cedo,  todos os sumos sacerdotes e os anciãos do povo convocaram um conselho contra Jesus, para condená-lo à morte.

2Eles o amarraram, levaram-no e o entregaram a Pilatos, o governador.

acoite

Não é lícito colocá-las no tesouro porque é preço de sangue.

3 Então Judas, o traidor, ao ver que Jesus fora condenado, ficou arrependido e foi devolver as trinta moedas de prata aos sumos sacerdotes e aos anciãos,

4 dizendo: ‘Pequei, entregando à morte um homem inocente.’ Eles responderam: ‘O que temos nós com isso? O problema é teu.’ 5 Judas jogou as moedas no santuário, saiu e foi se enforcar. 6 Recolhendo as moedas, os sumos sacerdotes disseram: ‘É contra a Lei colocá-las no tesouro do Templo, porque é preço de sangue.’

7 Então discutiram em conselho e compraram com elas o Campo do Oleiro, para aí fazer o cemitério dos estrangeiros.

8 É por isso que aquele campo até hoje é chamado de ‘Campo de Sangue’.

9 Assim se cumpriu o que tinha dito o profeta Jeremias: ‘Eles pegaram as trinta moedas de prata – preço do Precioso, preço com que os filhos de Israel o avaliaram –

10 e as deram em troca do Campo do Oleiro, conforme o Senhor me ordenou!’

coroa

Tu és o rei dos judeus?

11 Jesus foi posto diante do governador, e este o interrogou: ‘Tu és o rei dos judeus?’ Jesus declarou: ‘É como dizes’,

12e nada respondeu, quando foi acusado pelos sumos sacerdotes e anciãos.

13 Então Pilatos perguntou: ‘Não estás ouvindo de quanta coisa eles te acusam?’

14 Mas Jesus não respondeu uma só palavra, e o governador ficou muito impressionado.

15 Na festa da Páscoa, o governador costumava soltar o prisioneiro que a multidão quisesse.

16 Naquela ocasião, tinham um prisioneiro famoso, chamado Barrabás.

17 Então Pilatos perguntou à multidão reunida: ‘Quem vós quereis que eu solte: Barrabás, ou Jesus, a quem chamam de Cristo?’

18  Pilatos bem sabia que eles haviam entregado Jesus por inveja.

19 Enquanto Pilatos estava sentado no tribunal, sua mulher mandou dizer a ele:  ‘Não te envolvas com esse justo! porque esta noite, em sonho, sofri muito por causa dele.’

20 Porém, os sumos sacerdotes e os anciãos convenceram as multidões para que pedissem Barrabás e que fizessem Jesus morrer.

21 O governador tornou a perguntar: ‘Qual dos dois quereis que eu solte?’ Eles gritaram: ‘Barrabás.’

22Pilatos perguntou: ‘Que farei com Jesus, que chamam de Cristo?’ Todos gritaram: ‘Seja crucificado!’

23 Pilatos falou: ‘Mas, que mal ele fez?’ Eles, porém, gritaram com mais força: ‘Seja crucificado!’

24 Pilatos viu que nada conseguia e que poderia haver uma revolta. Então mandou trazer água, lavou as mãos diante da multidão, e disse: ‘Eu não sou responsável pelo sangue deste homem. Este é um problema vosso!’

25 O povo todo respondeu: ‘Que o sangue dele caia sobre nós e sobre os nossos filhos’.

26 Então Pilatos soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus, e entregou-o para ser crucificado.

Salve, rei dos judeus!

27 Em seguida, os soldados de Pilatos levaram Jesus ao palácio do governador, e reuniram toda a tropa em volta dele.

28 Tiraram sua roupa e o vestiram com um manto vermelho;

29depois teceram uma coroa de espinhos, puseram a coroa em sua cabeça,  e uma vara em sua mão direita. Então se ajoelharam diante de Jesus e zombaram, dizendo: ‘Salve, rei dos judeus!’

30 Cuspiram nele e, pegando uma vara, bateram na sua cabeça.

31 Depois de zombar dele, tiraram-lhe o manto vermelho e, de novo, o vestiram com suas próprias roupas. Daí o levaram para crucificar.

Com ele também crucificaram dois ladrões.

32 Quando saíam, encontraram um homem chamado Simão, da cidade de Cirene, e o obrigaram a carregar a cruz de Jesus.

33 E chegaram a um lugar chamado Gólgota, que quer dizer ‘lugar da caveira’.

34 Ali deram vinho misturado com fel para Jesus beber. Ele provou, mas não quis beber.

35 Depois de o crucificarem, fizeram um sorteio, repartindo entre si as suas vestes.

36 E ficaram ali sentados, montando guarda.

37 Acima da cabeça de Jesus puseram o motivo da sua condenação: ‘Este é Jesus, o Rei dos Judeus.’

38 Com ele também crucificaram dois ladrões, um à direita e outro à esquerda de Jesus.

Se és o Filho de Deus, desce da cruz!

39 As pessoas que passavam por ali o insultavam, balançando a cabeça e dizendo:

40 ‘Tu que ias destruir o Templo e construí-lo de novo em três dias, salva-te a ti mesmo! Se és o Filho de Deus, desce da cruz!’

41 Do mesmo modo, os sumos sacerdotes, junto com os mestres da Lei e os anciãos, também zombaram de Jesus:

42 ‘A outros salvou… a si mesmo não pode salvar! É Rei de Israel… Desça agora da cruz! e acreditaremos nele.

43 Confiou em Deus; que o livre agora, se é que Deus o ama! Já que ele disse: Eu sou o Filho de Deus.’

44 Do mesmo modo, também os dois ladrões que foram crucificados com Jesus, o insultavam.

Eli, Eli, lamá sabactâni?

45 Desde o meio-dia até às três horas da tarde, houve escuridão sobre toda a terra.

46 Pelas três horas da tarde, Jesus deu um forte grito: ‘Eli, Eli, lamá sabactâni?‘, que quer dizer: ‘Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?’

47 Alguns dos que ali estavam, ouvindo-o, disseram: ‘Ele está chamando Elias!’

48 E logo um deles, correndo, pegou uma esponja, ensopou-a em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara, e lhe deu para beber.

49Outros, porém, disseram: ‘Deixa, vamos ver se Elias vem salvá-lo!’

50 Então Jesus deu outra vez um forte grito e entregou o espírito.

Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.

51 E eis que a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes, a terra tremeu e as pedras se partiram. 

52 Os túmulos se abriram e muito corpos dos santos falecidos ressuscitaram! 

53 Saindo dos túmulos, depois da ressurreição de Jesus, apareceram na Cidade Santa e foram vistos por muitas pessoas.

54 O oficial e os soldados que estavam com ele guardando Jesus, ao notarem o terremoto e tudo que havia acontecido, ficaram com muito medo e disseram: ‘Ele era mesmo Filho de Deus!’

55 Grande número de mulheres estava alí, olhando de longe. Elas haviam acompanhado Jesus desde a Galiléia, prestando-lhe serviços.

56 Entre elas estavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu.

José colocou o corpo de Jesus em um túmulo novo.

57 Ao entardecer, veio um homem rico de Arimateia, chamado José, que também se tornara discípulo de Jesus.

58 Ele foi procurar Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Então Pilatos mandou que lhe entregassem o corpo.

59 José, tomando o corpo, envolveu-o num lençol limpo,

60 e o colocou em um túmulo novo, que havia mandado escavar na rocha. Em seguida, rolou uma grande pedra para fechar a entrada do túmulo, e retirou-se.

61 Maria Madalena e a outra Maria estavam ali sentadas, diante do sepulcro.

Tendes uma guarda. Ide, guardai o sepulcro como melhor vos parecer.

62 No dia seguinte, como era o dia depois da preparação para o sábado, os sumos sacerdotes e os fariseus foram ter com Pilatos,

63 e disseram: ‘Senhor, nós nos lembramos de que quando este impostor ainda estava vivo, disse: ‘Depois de três dias eu ressuscitarei!’

64 Portanto, manda guardar o sepulcro até ao terceiro dia, para não acontecer que os discípulos venham roubar o corpo e digam ao povo: ‘Ele ressuscitou dos mortos!’ pois essa última impostura seria pior do que a primeira.’

65 Pilatos respondeu: ‘Tendes uma guarda. Ide e guardai o sepulcro como melhor vos parecer.’

66 Então eles foram reforçar a segurança do sepulcro: lacraram a pedra e montaram guarda.

Comentário

O Messias Padecente

O domingo de Ramos tem a mesma liturgia nos anos A, B e C, exceto para as leituras do evangelho. Estas são duas: na procissão dos Ramos, a história da entrada de Jesus em  Jerusalém, uma semana antes de sua morte (portanto, no dia que hoje comemoramos); e na liturgia da Palavra, a narração da paixão e morte.

As leituras do evangelho são, respectivamente, tomadas dos três evangelistas sinóticos, Mt, Mc e Lc (no ano B, o evangelho da Entrada pode também ser o de Jô). Essa organização nos permite meditar, cada ano, a Via Crucis do Senhor conforme a sensibilidade própria de cada um destes evangelistas (o relato da Paixão segundo João é lido anualmente na Sexta-feira Santa).

Neste ano A, podemos imbuir-nos do espírito de S. Mateus ao narrar a Paixão de N. Senhor (evangelho). Importantíssimo, para Mt, é o cumprimento, na vida e morte de Jesus de Nazaré, do plano divino, expresso no A.T. Neste sentido, podemos observar como Jesus realiza a figura do Servo Padecente de Deus, apresentada na 1ª leitura (Is 50,4-7; 3° Canto do Servo de Deus), por exemplo, em Mt 26,67. Por outro lado, Mt coloca também Jesus como exemplo para os fiéis. Na cena do Getsêmani, por exemplo, Mt é o único evangelista a colocar literalmente nos lábios de Jesus a expressão do Pai-nosso: “Seja feita a tua vontade” (Mt 26,42).

A 1ª leitura merece atenção especial, porque ela representa um momento importante na “pedagogia da Salvação”: o povo de Israel, exilado, começou a entender que o plano de Deus não se realiza, necessariamente, pela força, mas antes, pela doação do “justo”. Em Jesus contemplamos a plenitude dessa “estratégia”.

O salmo responsorial, Sl 22[2l], é igualmente um dos textos que prefiguram o sofrimento do Cristo. Várias de suas expressões aplicam-se tais quais à história de Jesus (Sl 22 [21], 19 = Mt 27, 25; Sl 22 [21], 9 = 27,43; Sl 22 [21], 2 = Mt 27,46, cf tb. As semelhanças com o Sl 69 [68]). Isto significa, novamente, que Jesus realizou em plenitude a compreensão de Deus que este salmo de maneira balbuciante exprime. Até Jesus exclama as primeiras palavras deste salmo (Mt 27,46), assumindo assim toda a figura do(s) justo(s) perseguido(s). Nestas palavras expressa-se a sensação de ser abandonado por todos, até por Deus (Jesus conheceu esta “sensação”), mas elas já anunciam também a vitoriosa confiança que se manifesta no resto do salmo.

A 2ª leitura é o primeiro hino cristológico conhecido. Resume o mistério do despojamento do Senhor, que realiza a figura do Servo (cf. lª leitura) e que, por sua obediência até a morte (= o amor radical que manifesta o Deus-Amor), é glorificado no senhorio de Deus.

Ora, esta idéia do senhorio de Cristo é que inspirou o preâmbulo da liturgia de hoje: a procissão dos ramos. O dado evangélico é a entrada de Jesus em Jerusalém, na qual ele foi recebido, por uma fração do povo pelo menos, como o rei davídico (“Filho de Davi”), o Messias. Para Mt, isso significa o cumprimento das antigas promessas Messiânicas (cf. a acentuação por Mt da ascendência davídica de Jesus; cf. 4º Dom. do Adv. e Vig. de Natal). Ora, o desejo dos fiéis de se unirem a esta homenagem, cantando A glória do Senhor e abanando ramos de palmeiras, significa que eles querem inserir-se nesta realização da promessa, confirmar para sempre o significativo gesto do povo, que Jerusalém esqueceu dentro de poucos dias. No fundo, a mais antiga celebração de Cristo-Rei é a de hoje (cf. 34° dom. do T.C.).

Assim, o presente domingo é marcado pelo mistério do esvaziamento (sofrimento) por um lado e da glória (senhorio) pelo outro. A tensão entre estas duas dimensões inspirou as tradicionais antífonas e hinos desta festa (Pueri Hebraeorum e Gloria, Laus).

Entre os demais textos da liturgia de hoje, destacamos a oração do dia e o prefácio (próprio), que se inspirou na 2ª Leitura: Jesus, o justo, padecendo pelos muitos, torna-se nosso exemplo a imitar (oração final; Fl 2,5). Imitando-o, nós também nos associamos à estranha “estratégia” de Deus.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

Mensagem

Obediência de Jesus até a morte

Muitos cristãos pensam que Deus obrigou Jesus a morrer para pagar  com seu sangue os nossos pecados. Será que um tal Deus se pode chamar de “pai”? Que significa que Jesus foi obediente até a morte? No relato da paixão de Nosso Senhor (evangelho), Mateus vê o Messias sob o ângulo da realização do projeto do Pai (cf. 3,15). Jesus realiza o modelo do Servo-discípulo, que pede a Deus “um ouvido de discípulo” para proclamar a sua vontade com “boca de profeta” e lhe ser fiel até o fim (1ª leitura).

A fidelidade à missão de Deus é que faz de Jesus o Messias e Salvador. Jesus não veio para “fazer qualquer coisa”, mas para realizar o projeto do Pai. Ensina-nos a obediência até a morte como instrumento da salvação do mundo (2ª leitura).

Pois quem sabe o que é preciso para salvar o mundo é Deus. Ele sabe que a morte daquele que manifesta seu amor infinito é a resposta suprema ao supremo desafio do mal. Jesus poderia ter sido infiel a Deus, pois era livre. Mas então teria sido infiel a si mesmo, Servo, Discípulo, Messias e Filho. Levou a termo a obra iniciada: pregar e mostrar o amor de Deus – até no dom da própria vida.

O exemplo de Cristo nos ensina o caminho da libertação. Vamos realizar a missão de libertar o mundo pela fidelidade radical à vontade do Pai. Por isso, devemos “prestar-lhe ouvidos”- sentido original de “obediência”. Obedecer não é deserção da liberdade. É unir nossa vontade à vontade do Pai, para realizar seu projeto de amor, e a outras vontades (humanas) que estão no mesmo projeto. E é também dar ouvidos ao grito dos injustiçados, que denuncia o pisoteamento do plano de Deus. Só depois de ter escutado todas essas vozes poderemos ser verdadeiros porta-vozes, profetas, para denunciar e anunciar… Profetismo supõe obediência e contemplação.

Deus não obrigou Jesus a pagar por nós, nem desejou a morte dele. Só desejava que ele fosse seu Filho. Esperava dele a fidelidade a seu plano de amor e que ele agisse conforme este plano. Jesus foi fiel a esta missão até o fim. Quem quis a sua morte não foi Deus, e sim os homens que o rejeitaram.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

Fonte:

Franciscanos.org.br

Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil

Exibições: 65

Comentar

Você precisa ser um membro de CATEQUESE !!! para adicionar comentários!

Entrar em CATEQUESE !!!

CAPELA VIRTUAL

Vem meditar comigo

 

EU ESTOU AQUI

 

 

 

Membros

Fórum

Batismo em crianças

Iniciado por laila patricia 28 Set, 2015.

Confissão para a Primeira Eucaristia de Crianças (entre 11 e 13 anos) ?? 7 respostas 

Iniciado por Jorge -Catequista de Adolescente. Última resposta de Delourdes P. Prado 2 Jun, 2014.

1°Encontro

Iniciado por ana maria barbosa de araujo 21 Mar, 2014.

ESQUEMA DO ADVENTO 1 resposta 

Iniciado por JOZIAS DE ALMEIDA ALBUQUERQUE. Última resposta de Jorge Kontovski 7 Jan, 2014.

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Badge

Carregando...

LINKS

Estes contam com o meu apoio:

Baixar Livros Gratis em PDF
Baixar Livros Gratis

CATEQUESE E LUZ

PEQUENAS IRMÃS DA SAGRADA FAMÍLIA

Image

 

A PAIXÃO DE SER CATEQUISTA

Image

 

© 2017   Criado por Jorge Kontovski.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço