CATEQUESE !!!

Fazei tudo o que Ele vos mandar (Jo 2,5)

REFLEXÃO DO EVANGELHO DOMINICAL (Mt 25,1-13) - Vigiai, porque não sabeis o dia nem a hora

Confira a reflexão do evangelho, de autoria de Carlos Luiz Ulrich,

para o antepenúltimo Domingo do Ano Eclesiástico, 12 de novembro.

Boa meditação!

1. Introduzindo

Como comunidade cristã somos marcados pela esperança da páscoa: a ressurreição de jesus cristo. Esperança de novos tempos… Esperança de relações mais justas entre as pessoas, esperança de trabalho, esperança de cura, esperança de melhores salários, esperança de paz, esperança de pão, esperança de mais solidariedade.

Esperança…

As parábolas fazem parte do método pedagógico de Jesus. Elas são uma espécie de comparação ou imagem, tirada da realidade da vida cotidiana, para esclarecer uma outra realidade, relacionada com o reino de Deus. Ao ensinar por meio de parábolas, Jesus entra no campo referencial dos seus ouvintes. Ele fala a partir daquilo que as pessoas de sua época conhecem e experimentam no seu cotidiano. É significativo ressaltar que Jesus parte das “coisas da vida” para trazer presentes as “coisas de Deus”. Para Jesus, portanto, a vida em sua totalidade é divina.

A comunidade cristã primitiva esperava ansiosamente que Jesus, após a sua ressurreição, voltasse logo. Para o evangelista Mateus e sua comunidade não interessa a especulação sobre os detalhes da volta de Jesus. Ele apenas aponta para o modo como devemos agir hoje a fim de poder participar da festa final.

A parábola

A parábola das dez virgens (Mt 25.1-13) aponta para o final dos tempos. Esta festa do final dos tempos é simbolizada por uma festa de casamento, apontando para a união de Jesus com a humanidade, na prática da justiça. Todas as pessoas são convidadas para a festa… Algumas permanecem em espera vigilante, enquanto outras acabam se acomodando, esquecendo o óleo, isto é, tornando-se omissas na prática da justiça.

Os outros dois textos apontados como leituras para esse domingo interligam-se com a mensagem da parábola. O texto do antigo testamento (Am 5.18-24) critica aquelas pessoas que fazem especulações sobre a vinda do dia do Senhor. O profeta aponta para a necessidade de que o juízo corra como as águas e a justiça como ribeiro perene no cotidiano de nossas vidas, enquanto o texto do novo testamento (1Ts 4.13-14 [15-18]) traz presente o consolo e a esperança que temos na ressurreição de Jesus Cristo. Deus tem em sua companhia todas as pessoas que já morreram. O texto reforça a necessidade de comunhão entre as pessoas.

2. Meditando o contexto

A parábola das dez virgens faz parte do “discurso escatológico” de Mt (cap. 24-25), encontrando-se inserida num conjunto de quatro parábolas:

  • 1) a parábola da figueira – exortação à vigilância (Mt 24.32-44);
  • 2) a parábola do bom servo e do mau (Mt 24.45-51);
  • 3) a parábola das dez virgens (Mt 25.1-13) e
  • 4) a parábola dos talentos (Mt 25.14-30).

Todas as quatro parábolas trazem presente a necessidade da vigilância, apontando para a esperança da comunidade cristã primitiva na volta de Jesus (parusia). O não-saber-a-hora é característico no contexto. As dez mulheres virgens representam a comunidade em estado de espera. Na comunidade, o joio e o trigo estão misturados (Mt 13.24-30). Sendo necessário esperar o tempo da colheita, onde o joio será queimado e o trigo recolhido no celeiro (Mt 13.30).

O evangelista Mateus não faz especulações a respeito do fim dos tempos. Para ele interessa a práxis da justiça. Perpassa todo o evangelho de Mateus a certeza de que Jesus, Emanuel – Deus conosco, acompanhará a sua comunidade através de todas as dificuldades no presente. Estar vigilante, sendo fiel ao propósito da justiça e estar preparado/a são partes centrais do contexto da parábola das dez mulheres virgens.

O importante

Para Mateus, o importante não é tanto a proximidade (ou não) da parusia, mas exatamente o não-saber-a-hora, conduzindo para uma constante vigilância. O último dia e a vinda de Cristo são uma possibilidade atual e real a cada raiar de um novo dia. Não é possível, para Mateus, fazer especulações sobre o tempo ou final do tempo. O que importa para o evangelista é poder contar com Jesus, Emanuel – Deus conosco, em cada momento do cotidiano e da história.

É interessante observar que o evangelista Mateus, nessa parte central do evangelho, coloca dez mulheres virgens como protagonistas da parábola. Além dessa parábola, somente Mt 13.33 (a parábola do fermento) apresenta uma mulher como personagem principal. A parábola das dez mulheres virgens é material exclusivo do evangelista Mateus, não tendo texto paralelo nos outros evangelhos.

As dez mulheres virgens podem nos ajudar a entender a atitude e a realidade da comunidade. Existem dificuldades não apenas em crer e ter esperança, mas também em vigiar e estar preparado/a com o óleo, tendo atitudes de justiça. A imagem da festa do casamento é colocada como símbolo da união perfeita entre Jesus e a sua comunidade.

3. Entendendo o texto

A parábola de Mt 25.1-13 inicia com um então, fazendo uma ligação com a parábola anterior (a parábola do bom servo e do mau). A novidade da parábola das dez virgens é que, das quatro parábolas, somente aqui Mateus fala da semelhança entre o fato do cotidiano e o reino dos céus (reino de Deus).

“Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo” (Mt 25.1).

Essa parábola parece fazer a interligação entre as quatro parábolas, pois somente nessa está explícita a semelhança com o reino de Deus. É interessante ressaltar que as protagonistas são dez mulheres virgens, como em Mt 13.33 “… o reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher tomou e escondeu em três medidas de farinha, até ficar tudo levedado”.

Chama a atenção que todas as dez mulheres virgens saem para se encontrar com o noivo. As pessoas têm os mesmos direitos. O evangelista Mateus inclui todas. Para a comunidade isso é importante, todas as pessoas são incluídas. Todas as dez mulheres virgens tomaram as suas lâmpadas e saíram a encontrar-se com o noivo.

Por que o texto fala em dez mulheres virgens?

O que significa mulheres virgens? Segundo Ivoni Richter Reimer (1998: 315), “‘virgens’ são mulheres qualificadas não apenas biologicamente como quem não teve relações sexuais com homens; a palavra ‘virgens’ também caracteriza mulheres socialmente como as que não vivem relações de dependência com homens”. Portanto, não se fala de dez mulheres noivas que vão se encontrar com o noivo, e sim de dez mulheres virgens que vão se encontrar com o noivo. Mesmo que o texto não fale de noivas, o contexto que está por trás da parábola é a festa de casamento.

Quem se coloca a caminho para encontrar-se com o noivo são as dez mulheres virgens. Segundo Reimer 1998: 315, são diversos os costumes, no antigo Israel, relativos à festa de casamento. A situação mais provável, refletida na perícope, é o costume de o noivo buscar a noiva na casa dela, antes de ir para a festa de casamento propriamente dita, que acontece na casa dele. As virgens (mulheres jovens) saem da casa da noiva para encontrar e saudar o noivo na rua. Depois, as mulheres virgens (com as tochas) acompanham a noiva até a casa do noivo.

Reimer também afirma que o que as mulheres virgens levam consigo não são lâmpadas (lychnos), mas “tochas” (lampas). As lâmpadas eram usadas dentro de casa (Mt 5.15, Lc 15.8); fora da casa eram usadas tochas (Mt 25.1ss, Jo 18.3). É provável que se trate de tochas com pedaços de pano embebidos em óleo/azeite, amarrados em cima de um pedaço de madeira. Como as virgens encontram-se e saúdam o noivo na rua, provavelmente elas estão carregando tochas, cumprindo com o ritual da festa de casamento.

Segundo Bortolini 1990: 37, no tempo de Jesus, as festas de casamento eram, geralmente, realizadas à tardinha, e às vezes de noite, com a casa de portas abertas; todo o povo podia participar da mesma. A noiva ficava em casa aguardando a chegada do noivo. Era costume que um grupo de amigas estivesse com a noiva durante o tempo de espera da chegada do noivo. O noivo, por sua vez, não tinha hora marcada para chegar, o que aumentava a expectativa e a espera.

As dez mulheres virgens são apresentadas em dois grupos: cinco eram néscias e cinco prudentes (Mt 25.2). Estas palavras também são usadas em Mt 7.24-27, onde aparece o homem sábio que construiu a casa sobre a rocha e o insensato que edificou a casa sobre a areia. Portanto, no evangelho de Mateus, esses termos são atribuídos a homens e mulheres.

Onde reside o ponto nevrálgico da parábola?

Não está, portanto, nas tochas que as mulheres virgens levam consigo. Todas levam as tochas, mas a questão principal está no óleo/azeite que as mulheres levam ou não levam consigo nas vasilhas (Mt 25.3-4). Como o noivo demorou para chegar, todas as mulheres virgens que estavam ali junto com a noiva vigiando, esperando o noivo, acabaram dormindo (Mt 25.5). O cansaço e a demora fizeram com que todas as dez mulheres virgens dormissem. A demora do noivo é um elemento importante para a comunidade de Mateus, que está ansiosa pela vinda de Jesus.

Esta realidade demonstra a demora da parusia. No entanto, não é a demora da parusia que é motivo de não estar vigilante, preparado. Para o evangelista Mateus, a parusia é algo imprevisível, não é possível fazer especulações sobre o final dos tempos. É necessário estar sempre preparado. O texto não faz nenhuma crítica às dez mulheres que acabam dormindo devido à demora do noivo. O problema não está no cansaço e no sono, e sim em levar azeite/óleo na vasilha.

A vigilância ativa não se mostra no fato de as dez mulheres virgens terem dormido. O sono e o cansaço fazem parte da realidade humana. A vigilância ativa se mostra no fato de ter ou não ter azeite/óleo na vasilha. O texto da Bíblia de Almeida fala em lâmpadas, mas, como já vimos, o correto é falar em tochas. As tochas eram embebidas em azeite/óleo e amarradas em cima de um pedaço de madeira. As lâmpadas com suporte de cerâmica eram usadas dentro de casa.

À meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí a seu encontro (Mt 25.6). O susto e a pressa em levantar foi geral. Todas as virgens se levantaram e prepararam as suas lâmpadas (Mt 25.7). É importante ressaltar que todas se levantam e todas preparam as suas lâmpadas. É neste momento que cinco virgens se dão conta de que as tochas estão se apagando. A alegria da chegada do noivo transforma-se num sufoco para cinco mulheres virgens. Elas se dão conta da sua falta de preparo: o azeite/o óleo está terminando.

As néscias despreparadas recorrem às mulheres virgens sábias, dizendo: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas tochas estão se apagando. A resposta das virgens prudentes surpreende. Elas dizem: “não, para que não nos falte a nós e as vós outras! ide, antes, aos que o vendem e comprai-o” (Mt 25.9). A resposta das sábias não demonstra egoísmo, falta de amor ao próximo ou avareza. A resposta das sábias aponta para uma ajuda na última hora: ide, antes, aos que o vendem e comprai-o. Talvez ainda dê tempo! E as néscias saíram para comprar (Mt 25.10). Só que neste exato momento chega o noivo!

As cinco mulheres virgens prudentes, caracterizadas como as que estavam apercebidas (cf. Bíblia de Almeida), isto é, preparadas, entraram com o noivo para a festa de casamento. É um momento de grande alegria, realizou-se a expectativa, valeu a pena a espera vigilante. Conforme Mateus, para essa festa muitas pessoas são convidadas, mas poucas são escolhidas (Mt 22.14).

A parábola das bodas

A parábola das dez mulheres virgens tem uma ligação com a parábola das bodas (Mt 22.1-14). Aquelas pessoas que haviam recebido o convite para a festa de casamento do filho não foram, todas tinham suas desculpas. Por isso foram para as encruzilhadas e convidaram todas as que encontraram. Para a festa todos e todas são convidados. Mas há um detalhe: é necessário estar preparado com o óleo na vasilha.

Aquelas que têm óleo em sua vasilha entram para participar da festa de casamento, enquanto aquelas que não cuidaram do óleo, mesmo que foram rapidamente comprar, quando retornam tem uma surpresa: encontram a porta fechada.

“E fechou-se a porta” (Mt 25.10) simboliza que acabou o tempo da espera. Com a chegada e ação do noivo decide-se a história. A imagem da porta que se fecha era muito conhecida no mundo judaico, mas não era usada no contexto da festa de casamento. Aqui se encontra a radicalidade do texto. Quem ouve a parábola passa a refletir e a entender que quem não está preparado (quem esquece o azeite/o óleo) corre o risco de encontrar a porta fechada, de perder o tempo oportuno da salvação.

O v. 11 traz presente a triste realidade das virgens néscias: “mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: senhor, senhor, abre-nos a porta”. A porta fecha e a chegada mais tarde das virgens néscias aponta que o final da sua história será triste, de clamor. Desde o início da narração, as virgens néscias estavam dispostas a ir ao encontro do noivo como as virgens prudentes.

Elas esperam de igual forma. Acabam cansando e dormindo como as virgens prudentes. Quando chega o noivo, se dão conta da sua realidade. O azeite/o óleo está acabando. Pedem-no para as prudentes. Elas dizem não, mas apontam para a possibilidade de elas irem comprar o azeite. Elas vão em busca dos vendedores de óleo; quando voltam, no entanto, a porta já está fechada. O grande problema das cinco mulheres virgens néscias é que não estavam preparadas. Quando retornam – talvez preparadas – já era muito tarde. A porta já havia se fechado.

Elas clamam desesperadas: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Aqui acontece o desenlace da parábola (v. 11-12). As cinco mulheres virgens néscias clamam e até reconhecem que é o noivo. No entanto, não se trata mais de um noivo terreno, mas é o filho do homem, que usa a palavra com autoridade: “em verdade vos digo que não vos conheço” (Mt 12). Em meio à alegria da festa para algumas/alguns está também presente o juízo para outras/outros. A parábola aponta para o juízo do filho do homem. O esperado encontro com o noivo transforma-se em separação definitiva dele para cinco mulheres.

A radicalidade do juízo e a vivência cotidiana da espera vigilante são elementos típicos do evangelho de Mateus. O sermão da montanha (Mt 5.1-12) aponta para a radicalidade da confissão de fé com a ação. A imagem das tochas nos remete a Mt 5.14: “vós sois luz do mundo”. Ser luz do mundo é também estar preparado com o óleo e brilhar em meio a este mundo, no cotidiano de nossas vidas.

Finalizando, a parábola apresenta o chamado à vigilância: “vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora” (Mt 25.13). Vigilância é estar em espera ativa desde o princípio. Mas como é que as pessoas podem se colocar em esperança ativa? A resposta parece estar no significado que damos ao óleo. Segundo o ensinamento rabínico, o óleo é símbolo das ações da justiça. Esta informação é importante e nos remete ao centro do evangelho de Mateus.

No Evangelho de Mateus, Jesus é apresentado como o novo mediador da justiça (Mt 3.15). A vigilância na espera ativa depende de nosso compromisso com a justiça do reino. Não é possível conseguir o óleo na última hora. As cinco virgens que haviam se preparado com óleo não emprestam para as outras cinco que não estavam preparadas. Esta não é uma atitude egoísta, de falta de amor ao próximo. Não é possível transferir a prática da justiça para outras pessoas. É possível praticá-la e ensiná-la, mas não é possível passá-la adiante como o soro penetra em nossas veias. A prática da justiça leva a ter bom senso, ter responsabilidade, ter compromisso!

Estar preparadas/os para a hora do grito – chegou o noivo! – significa ser construtores da prática de justiça, que traduza concretamente o reino de deus inaugurado por Jesus. “Se a justiça de vocês não superar a dos doutores da lei e a dos fariseus, vocês não entrarão no reino dos céus” (Mt 5.20). Nossa vida é um convite constante à festa da vida, que não termina, caracterizada na festa do casamento (vida, morte e ressurreição de Jesus), promessa de vida para todos e todas que praticam a justiça, ensinada e vivenciada por Jesus.

A porta estará aberta ou fechada de acordo com nossa preparação, pois a morte e a ressurreição de Jesus nos convidam para uma vigilância ativa. Somos convidados a nos preparar para a vida, para que a festa de casamento, o reino de Deus, seja algo belo. Todos/as somos convidados/as para participar dele, e isto é maravilhoso!

Fonte: Autoria de Carlos Luiz Ulrich, IECLB.

Novo Testamento, livro de Mateus, capítulo 25, 1-13.

Título da publicação: Proclamar Libertação, Editora Sinodal, 2004.

Exibições: 31

Comentar

Você precisa ser um membro de CATEQUESE !!! para adicionar comentários!

Entrar em CATEQUESE !!!

CAPELA VIRTUAL

Vem meditar comigo

 

EU ESTOU AQUI

 

 

 

Membros

Fórum

Batismo em crianças

Iniciado por laila patricia 28 Set, 2015.

Confissão para a Primeira Eucaristia de Crianças (entre 11 e 13 anos) ?? 7 respostas 

Iniciado por Jorge -Catequista de Adolescente. Última resposta de Delourdes P. Prado 2 Jun, 2014.

1°Encontro

Iniciado por ana maria barbosa de araujo 21 Mar, 2014.

ESQUEMA DO ADVENTO 1 resposta 

Iniciado por JOZIAS DE ALMEIDA ALBUQUERQUE. Última resposta de Jorge Kontovski 7 Jan, 2014.

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Badge

Carregando...

LINKS

Estes contam com o meu apoio:

Baixar Livros Gratis em PDF
Baixar Livros Gratis

CATEQUESE E LUZ

PEQUENAS IRMÃS DA SAGRADA FAMÍLIA

Image

 

A PAIXÃO DE SER CATEQUISTA

Image

 

© 2017   Criado por Jorge Kontovski.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço